O município de Bonito é um dos principais destinos turísticos do Centro Oeste brasileiro e do Mato Grosso do Sul. É a principal cidade turística da serra da Bodoquena.

As agências da cidade organizam passeios para todo tipo de público, como flutuação, rapel, passeios a pé e a cavalo, rafting, bóia-cross, cachoeiras, observação de animais e pássaros.

A melhor época do ano para se visitar bonito é o ano todo. Para a Gruta Azul por exemplo, entre janeiro e fevereiro a luz do sol bate diretamente na lagoa por alguns minutos,  mas é o período mais cheio de turistas. No inverno a temperatura varia muito. Cheguei a Bonito com 33 graus e 3 dias depois estava apenas 7 graus.

Principais atrativos:

  • Gruta do Lago Azul.
  • Rio Sucuri.
  • Gruta de São Miguel.
  • Abismo Anhumas: caverna com acesso apenas com rapel e também possui um lago para mergulho e flutuação.
  • Aquário Natural – Baia Bonita
  • Rio do Peixe
  • Passeio de Bote no Rio Formoso
  • Boia Cross
  • Arvorismo
  • Cavalgada
  • Mergulho com cilindro
  • Observação de aves

Para chegar a Bonito, as opções vão desde a locação de um carro, a compra de um transporte como van ou ônibus, ou vôos até o aeroporto local. Dependendo do momento, e do preço das passagens aéreas, a opção poderá ser via terrestre. Eu optei por locar um carro em Campo Grande, para garantir maior mobilidade na cidade até os passeios (para os passeios em Bonito, o preço do translado é cobrado à parte. A viagem de carro é um pouco cansativa, mas se ganha muito na mobilidade entre a cidade e os passeios.

A cidade é pequena, com um centrinho com várias lojinhas e restaurantes. O que se vê logo ao chegar a Bonito é a quantidade de pássaros, dentre eles as maritacas, tucanos, siriemas, emas e araras (azul e vermelha). Pela manhã. o único barulho ao acordar são os pássaros cantando…uma maravilha. Infelizmente, não consegui ver animais de maior porte, como o tamanduá bandeira, o tamanduá mirim, ou o Lobo Guará. Mais infelizmente ainda, os dois únicos tamanduás bandeira que vi estavam atropelados às margens da rodovia para Campo Grande.

O primeiro passeio que fiz, e o mais conhecido de Bonito foi até a Gruta Azul. Fica a 22 km do centro da cidade, por uma estrada de chão em boas condições. Existem muitas placas no caminho, e o mapa disponível na agência falicitava muito. Depois de cerca de 30 minutos, estávamos na recepção da gruta. Saímos com o guia, após uma rápida explicação sobre o local, e sobre a segurança. Andamos por cerca de 5 minutos, e já estávamos na entrada da gruta. Com uma boca enorme, a gruta azul tem uma profundidade de cerca de 100 metros, e faz-se a descida por um caminho estreito, e com pedras.

Quando chove muito, o passeio é interrompido. Na metade do caminho já é possível ver a dimensão da caverna, suas estalactites, e a cor azul turquesa do lago, mesmo sem a incidência direta do sol. A limpidez e as características da água na região são devidas a presença de calcário, que além de alcalinizar a água, se liga a quaisquer partículas em suspensão, depositando-as no fundo. A água fica então límpida e transparente.

Chegar próximo da lagoa no fundo fica cada vez mais impressionante, e a água se torna de um azul cada vez mais incrível. Não é possível entrar na lagoa, mas em mergulhos científicos realizados, encontrou-se profundidades de mais de 70 metros, e não se sabe o tamanho horizontal da mesma. Existem duas espécies de animais que habitam a lagoa, ambas albinas e cegas, em virtude da escassez de luz.

Outro passeio que fiz foi o Bóia-Cross, por cerca de 30 minutos, no Rio Formoso. Localiza-se a 10 minutos do centro da cidade. Ficamos sobre bóias individuais e descemos por algumas quedas d´água. Foi bem divertido, mas pena que durou pouco.

Foto - Bóia Cross em Bonito. Imagem bonitoturismo.wordpress.com/

Um passeio que não pode deixar de ser feito é o de flutuação no rio Sucuri. Fica em uma Fazenda, localizada a cerca de 18 km do centro, também por estrada de chão, bem sinalizada. Leva-se cerca de 20 a 30 minutos para chegar lá. Lembre-se de agendar o horário. O melhor é entre as 10 e 15 hs, pela posição do sol. O passeio começa com a formação de um grupo de cerca de 8 pessoas, uma explicação básica, e a distribuição das roupas de neoprene, máscaras e snorkel. Depois subimos em um pequeno caminhão, para chegar a nascente do rio Sucuri. A beleza da nascente é indescritível. As águas cristalinas do rio, peixes, e as múltiplas saídas de água vistas pelo solo do rio, brotando.

Caminhamos mais um pouco até a área de mergulho e fizemos um breve treinamento para a flutuação. O principal é deixar o corpo se levar pela própria correnteza, mexendo os braços ocasionalmente, e nunca, jamais tocar o fundo, por se tratar de área protegida, e também para não causar o levantamento de particulas na água. Na flutuação, entramos em outro meio. As águas cristalinas pela deposição do calcário permitem enxergar por dezenas de metros, e inúmeros peixes passam nadando junto a nós, como se do cardume fizessemos parte. Como a pesca é proibida, eles não enxergam perigo no ser humano.

Dentre a espécies que se pode ver estão as Piraputangas, o Curimbá, o Pintado e o Dourado. Se você tiver muita sorte, pode ver lontras e macacos, mas muito mais difícil. A flutuação dura cerca de 1 h e meia e vale muito a pena.

Por último, e também imperdível no caminho de volta, é o buraco das araras, no município de Jardim. É uma enorme formação natural, onde através da proteção hoje se reintegraram as araras vermelhas, e existem ninhos, e dezenas de animais. Chegam a ficar bem perto dos mirantes e a vista e a interação com elas é incrível. Ver também uma revoada, e cor da plumagem com as asas abertas é fantástico.

Existem diversos outros passeios que podem ser feitos, além da ida ao Pantanal, para tentar ver onças e jacarés. A entrada para o Pantanal normalmente é feita através do município de Miranda. Vale a pena ir com um tempo de pelo menos 1 semana para aproveitar todas as possibilidades.

Dicas importantes:

– Sempre reserve hotéis com antecedência, pois dependendo da época pode ser difícil encontrar vagas. A cidade é pequena, mas existem diversos hotéis e pousadas, para todos os gostos e bolsos. Fiz minha reserva pelo booking.com, na pousada Surucuá, bem hospitaleira www.pousadasurucua.com.br/.

– Também é muito importante reservar com antecedência e programar quais passeios se deseja realizar. Como há controle de impacto ambiental, o número de pessoas por dia é limitado, e dependendo da época, você pode ficar sem fazer o passeio de sua preferência se não fizer a reserva com antecedência. Indico a agência Abaetecotour- www.abaetecotur.com.br/. A Joelma irá lhe atender com toda a sua simpatia. Além disso, a agência é pequena, simples, e tocada por apaixonados protetores de animais. Nos tornamos amigos.

– Em Bonito não se pode pescar. Todos os rios são protegidos, e o consumo de peixes na cidade é proveniente de outras cidades do Pantanal.

  • Data da emancipação: 02 de Outubro de 1948
  • Área: 4.934 km²
  • Altitude: 315 m
  • População: 18.253
  • Clima: Tropical
  • Temperatura: 22° (média), com grande amplitude térmica, variando entre 0 a 40º C
  • Vegetação: Cerrado
  • Atividades econômicas: Turismo, Pecuária , Agricultura e Mineração
  • Bacia Hidrográfica: do Rio Paraguai Sub-Bacias: do Rio Miranda e Rio Aquidauana
  • Rios: Rio do Peixe, Formoso, Formosinho, Perdido, Sucuri
  • Ocorrências Minerais: Areia, calcário, urânio, cobre, chumbo e dolomito