Portugal é um país feito de homens e mar.

Lembrei-me desta frase lida alguns dias antes na revista dentro do
avião. Agora estava de frente ao Atlântico, junto à foz do Rio Tejo e
ao lado do Forte de São Julião da Barra, imaginando a coragem daquele
povo ao se lançar ao mar. Quase 600 anos atrás, portugueses se
lançavam ao desconhecido, em busca de uma passagem para manter o
vigoroso e potencial comércio com as Índias. O caminho antigo, pela
Rota da Seda conhecido desde os tempos de Marco Pólo estava agora
fechado, com a conquista dos Otomanos em Constantinopla.

Imaginava esta coragem do povo deste pequeno e grande país, incrustado
na ponta da Península Ibérica, e quase todo voltado para o oceano. Sua
história, sua vida e seus costumes se confundem com o mar.

Lisboa

A inesquecível viagem de volta ao meu passado havia começado na
véspera. No vôo vindo de Roma, faltando meia hora para a “aterragem”,
a aeromoça fez o convite para ir até a cabine do piloto. Um de meus
primos é piloto da empresa aérea, e havia avisado ao seu colega que
estaríamos em seu vôo, e ele nos fez a gentileza do convite. Faltam
palavras para explicar a sensação de estar na cabine de um grande
avião comercial, sobre Portugal. A sensação era de estar flutuando,
enquanto a frente ia surgindo o oceano e a cidade de Lisboa à direita.
Depois de uma breve curva, avistei os contornos da antiga cidade,
sobrevoamos o rio Tejo, e pousamos. Foi assim que iniciava minha
viagem de “descobrimento” de meus antepassados…

Hoje estava todo o dia em um passeio pelos principais pontos de Lisboa
e Belém. Meus primos Manoel e Esmeralda haviam me feito uma carinhosa
recepção no aeroporto, e mesmo sem conhecê-los antes, parecia que
havia sempre vivido ali, tal era a sensação de família envolvido em
cada gesto, e em cada atitude por parte dos queridos primos
portugueses. Receberam-nos em sua casa, e em sua família. E agora nos
presenteavam com belos cenários entre Cascais e Lisboa.

Cascais

Visitamos Cascais, sua bela região oceânica e suas lojinhas entre
vielas. Fomos depois conhecer Lisboa, seus principais casarios,
avenidas e monumentos. Fomos também ao Parque das Nações, onde fica o
belo oceanário português, e com uma magnífica vista do Tejo e da Ponte
Vasco da Gama. O cenário no Parque é incrível. Toda a área foi
remodelada para a Expo Mundial de 1998, entre seus espaços de beleza
arquitetônicas existem museus, um teleférico, e o oceanário. Famílias
passeavam, crianças corriam e brincavam em um belo espaço de lazer e
cultura.

Parque das Nações - Torre Vasco da Gama e Teleférico

No fim da tarde, fomos a Belém, ver a Torre e o monumento aos
Descobrimentos. A Torre de Belém fica na margem direita do Tejo.
Construída em 1520 para integrar a defesa do rio, exibe diversos
brasões de armas e uma arquitetura medieval. Em 1983 foi declarada
Patrimônio Mundial pela UNESCO.

Torre de Belém

O Padrão dos Descobrimentos fica bem próximo a Torre, e foi construído
como uma homenagem aos desbravadores de Portugal. O monumento tem a
forma de uma caravela estilizada, com o escudo de Portugal nos
lados.D. Henrique, o Navegador, ergue-se à proa, com uma caravela nas
mãos. Em duas filas descendentes, de cada lado do monumento, estão as
estátuas de heróis portugueses ligados aos Descobrimentos.

Na face ocidental encontram-se o poeta Camões, com um exemplar de Os Lusíadas,
o pintor Nuno Gonçalves com uma paleta, bem como famosos navegadores,
cartógrafos e reis. (Fonte – Wikipédia). De seu topo é possivel ver um
mapa mundi antigo com uma rosa dos ventos na praça abaixo.

Padrão dos Descobrimentos

E para fechar o dia com chave de ouro, eis que os primos convidam para
um delicioso pastel de Belém, e em Belém…dificil foi comer apenas
“alguns”…

Pastéis de Belém

Depois de alguns dias com a receptividade calorosa dos primos em
Cascais, com saborosas bacalhoadas, degustadas com o famoso vinho
português, fomos a segunda etapa da viagem. De carro, em direção ao
Norte, a cidade do Porto, nosso primo nos levava ao encontro das
histórias de minha infância, ouvidas em vários momentos na casa de
meus avós.

No caminho, fui mergulhado em pensamentos daquela época. Na incrivel
coragem de um casal, saindo de seu país, sua família, cruzando o
Atlântico em um navio, com dois meninos pequenos, sendo meu futuro pai
o mais velho, com 3 anos de idade.Em busca de outra vida,
provavelmente com sonhos e medo entrelaçados ao desconhecido, a medida
que se aproximavam da baía de Guanabara no Rio de Janeiro. Lá, no novo
mundo, começaram nova vida, cresceram e criaram seus filhos, com muito
esforço e dedicação pessoal. Contando as histórias de sua juventude em
Sao Pedro da Cova e no Porto, meu avô ia criando a minha identificação
com o passado distante além mar. E criava em minha mente a vontade de
um dia visitar Portugal.

Cidade do Porto

Chegamos ao Porto, a antiga casa da família, que ainda hoje permanece
muito pouco diferente de quando o irmão mais velho saiu do lar. Suas
irmãs, minhas tias nos esperavam a frente da casa, e com lagrimas nos
olhos nos deram as boas vindas. Apenas uma delas havia conhecido em
uma viagem ao Rio de Janeiro, mas faziam tantos anos que as lembranças
de suas feições se baseavam apenas em fotos. Muitos abraços em todos
os parentes, e lentamente conhecemos quase toda a família, que nos
tratava tal como celebridades vindas de uma terra distante, tal o
carinho e o laço que nos une. O que mais ficou guardado desta intensa
viagem foi exatamente este enorme carinho, e a sensação de sempre lá
ter estado, tal a força do sentimento, e o prazer da companhia entre
todos os familiares. Apenas quem tem parentes portugueses sabe
exatamente o que estou tentando dizer em palavras…

Porto e Rio Douro

Conhecemos os primos, tios, e a bela cidade do Porto, cortada pelo rio
Douro. De um lado Porto e do outro Vila Nova de Gaia, com seus
depósitos de vinhos e seus barcos de transporte das vinicolas do alto
Douro. Andar pelas ruas, ouvir o português com o belo sotaque de
Portugal, ver os casarios e a vida passar, enquanto saboreávamos um
bacalhau as margens do rio. A tarde foi passando, enquanto
literalmente degustávamos a cidade.

Porto

A cidade do Porto tem uma particular beleza. Sua arquitetura antiga,
suas pontes dobre o Douro, as barcas passando com os barris de vinho.
Tudo lembrava as histórias de meu avô, e o sentimento era de
reencontro comigo mesmo.
Dificil foi ir embora. O dar adeus a todos os carinhosos parentes, que
nos proporcionaram um real conhecimento da palavra família, não aquele
do dicionário, mas o do carinho, do abraço e do olhar. Portugal tem
algo de diferente com os outros países do mundo. Nosso passado e
origens nos tornam a todos uma única família, uma única língua e uma
única história.

Dicas:

Portugal é um país que pode ser visitado em toda a época do ano, mas faz bastante frio no inverno. Várias companhias aéreas fazem vôos do Brasil para Lisboa ou Porto, mas a principal é a companhia portuguesa TAP, que fax vôos das principais cidades do Brasil. http://www.flytap.com/Brasil/PTBR/Homepage

Há vários destinos turísticos além de Lisboa e Porto. As cidades de Coimbra, a região do além Tejo, Trás-os-Montes e Algarve são pequenas maravilhas que valem a pena serem conhecidas. De Portugal é possível conhecer também a costa sul espanhola, as ilhas do Mediterrâneo como Ibiza, além da costa norte africana, como Marrocos. Alugar um carro é uma ótima opção, pois os preços são atraentes e as rodovias bem seguras.