Nossa chegada em Moscou foi em grande estilo. Saímos de Madrid na Espanha e em cerca de 4 horas o piloto nos informava que estaríamos pousando no aeroporto Domodedovo (ou аэропорт Домодедово, em cirílico) no final da tarde. A temperatura prevista na hora do pouso seria de -12 graus negativos. Sim, isso mesmo, estávamos aterrissando em Moscou no meio do inverno.

Aeroporto Domodedovo – Moscou

Após o pouso tranquilo, passamos pela imigração russa, também sem maiores problemas. O visto para brasileiros não era mais necessário há alguns meses. Passamos a alfândega, pegamos as malas e saímos no saguão de espera do aeroporto , onde alguns meses antes uma bomba de terroristas separatistas chechenos havia feito dezenas de mortos e feridos. Encontramos nosso motorista que nos levaria ao hotel no centro de Moscou. O aeroporto fica a cerca de 34 km ao sul da cidade. É possível pegar um trem expresso, o aeroexpress, mas como chegamos já ao anoitecer, preferi um serviço de transporte. Ao sairmos em direção ao estacionamento, sentimos pela primeira vez o significado do inverno russo, literalmente na pele: gelo por todo o lado e um termômetro oscilando entre 12 e 13 graus abaixo de zero.

Moscou e o inverno russo

Pelo caminho foi possível já ver as paisagens repletas de neve, com árvores e gramíneas recobertas pelo manto branco. Tudo em nossa volta estava escrito no alfabeto cirílico, o que teríamos de nos acostumar nos próximos dez dias. Na verdade com um pouco de treino, foi até mais fácil do que imaginava e alguns dias depois já conseguia ler em russo as palavras principais para um turista.

Mapa região central da cidade

Nosso belo hotel ficava próximo ao rio Moscou, que cruza toda a cidade. Ficamos relativamente próximos a praça Vermelha, sendo necessário apenas algumas poucas estações de metrô. Saímos para uma breve caminhada noturna, até algum restaurante, mas cerca de 20 minutos depois, e ao andarmos ao largo do rio Moscou completamente congelado, decidimos voltar ao hotel, pois a sensação térmica passava facilmente de 25 graus negativos com o vento vindo do norte.

Moscou é a capital da Rússia e uma das cidades mais importantes do mundo. Fica a oeste da parte européia do país, no cruzamento dos rios Volga e Oka. Conta atualmente com uma população de cerca de 9 milhões de pessoas, e é também um dos destinos turísticos mais visitados do mundo, seja pela sua rica história ou pelas suas belezas naturais e arquitetônicas.

Muralhas do Kremlin e rio Moscou congelado

Na manhã seguinte teríamos nossa única excursão guiada pela capital, através dos principais pontos turísticos. Nosso guia nos levou primeiro para uma bela vista da parede norte do Kremlin com o rio Moscou congelado, onde além das imponentes estruturas dentro das muralhas, podíamos ver também parte da Catedral de São Basílico, tão característica da cidade, com suas enormes cúpulas coloridas que lembram grandes suspiros.

Catedral de Cristo Salvador

Em seguida passamos pela Catedral de Cristo Salvador, completamente reconstruída depois de ser posta abaixo pelos soviéticos. Próxima a ela fica o gigante monumento em homenagem ao ex imperador Pedro, o Grande, com 50 metros de altura.

Da região central do Kremlin, passamos pela região do convento de Novodevich, fundado em 1524. A sua frente, um enorme lago congelado, onde pessoas caminhavam e cães passeavam com seus donos. Era para lá que os czares enviavam suas ex-mulheres, irmãs ou desafetos. O enorme lago a frente, que na verdade é um braço do rio Moscou, inspirou  Tchaikovsky a compor “O Lago dos Cisnes”.

Convento de Novodevich- a frente o tapete branco é um enorme lago congelado

Russia - Lago do Convento Novodevichy, Moscou

o mesmo local no verão – Foto Renato Alves

Em seguida, nos deslocamos a região da Universidade de Moscou, com seu prédio central típico da arquitetura stalinista. Do alto da colina era possível vermos todo o complexo montado para os Jogos Olímpicos de 1980, um dos mais marcantes da era moderna, quer seja pela situação de então da Guerra Fria, onde EUA e outros países boicotaram os jogos, mas principalmente pelo mascote olímpico, o urso Misha.

Olimpíadas de 1980 – Moscou

No próximo dia, visitaremos a Praça Vermelha, o Kremlin e a Catedral de São Basílico, além de irmos as compras na rua Arabat.